Instrumentos Musicais de Angola. Sua Construção e Descrição

Instrumentos Musicais de Angola. Sua Construção e Descrição

Prefácio

A Associação das Universidades de Língua Portuguesa, criada em 1986, assumiu a tarefa, desde 2007, de promover edições comemorativas nos seus Encontros anuais. A disseminação dos seus membros por vários continentes tem permitido, ao longo da última década, a edição fac-similada de obras que por vários motivos, as Universidades de acolhimento dos Encontros consideram significativas para o enriquecimento do debate científico. Desde modo, edições fac-similadas de obras inacessíveis, ou livros científicos de reconhecido valor já desaparecidos ou ainda cuja oportunidade se faz sentir, são distribuídas gratuitamente por todos os membros.

De Angola ao Brasil, de Cabo Verde a Portugal e passando por Macau e Timor-Leste, estas edições a que se reconhece o contributo e riqueza cultural ampliam o panorama literário e científico nos países onde se fala a língua portuguesa. Escolhidos na sua maioria pelas instituições de acolhimento, a AULP serve, assim, os interesses da comunidade científica.

O XXVIII Encontro da AULP realiza-se, neste ano de 2018, no Sul de Angola, na cidade do Lubango, acolhido pela Universidade Mandume Ya Ndemufayo, apoiada pelas suas congéneres angolanas. Na sequência da reedição do livro Etnias e Culturas de Angola, obra magistral de José Redinha, cuja edição fac-similada a AULP promoveu por ocasião da realização do XIX Encontro da AULP em Luanda no ano de 2009, surge agora a oportunidade de ampliar o conhecimento da inquirição do distinto investigador da cultura angolana.

O trabalho de catalogação e inventariação realizado nesta obra é um dos muitos que o investigador produziu enquanto pesquisador incansável da cultura angolana. Organizou acervos etnográficos e coordenou ações de implantação de espaços-museu para o abrigo dos acervos recolhidos. Tendo sido diretor do Museu de Angola, foi também membro do Instituto de Investigação Científica de Angola, e ao longo da sua carreira publicou inúmeros artigos e realizou várias conferências, sempre tendo Angola e o lugar deste país na História das Civilizações, como tema principal.

A edição fac-similada de Instrumentos Musicais de Angola, sua construção e descrição representa o esforço sistemático de classificação dos instrumentos musicais angolanos, enquadrados no ambiente cultural e humano que os envolve e em que eles ativamente participam. Enquadramento sem o qual, a transcendência que acompanha a vida desses instrumentos, ficaria incompleta, bem como o carácter pluridimensional que a música africana apresenta no seio das comunidades que a cultivam. Como o autor afirma: “A música, como recreação, ludismo, rito, magismo, comunicação, mágico-medicina e agente psico-social da variada acção, participa na maior intimidade da alma dos africanos” (…).

O texto, escrito no início dos anos 70 do séc. XX, inventaria mais de duas centenas de instrumentos e foi instruído com fotografias e, principalmente, com uma centena de desenhos, incluindo alguns gráficos relativos à distribuição dos instrumentos, porquanto os registos correspondem a toda a área de Angola.

Neste sentido, a recuperação do património histórico e cultural, implica a reintegração do inventário das formas culturais e civilizacionais, utilizadas nos diversos espaços que compõem o universo onde se fala o português. No caso em apreço, Angola, a Associação das Universidades de Língua Portuguesa (AULP), ao realizar a edição fac-similada deste livro, reafirma o seu compromisso em prestar homenagem a todos aqueles que, no passado, dedicaram a sua investigação à riqueza da diversidade dos usos, formas e ritos das diversas culturas associadas à língua portuguesa.

No momento em que se alcança a ancoragem histórica do património comum do espaço lusófono, seja natural e científico, seja linguístico e cultural, seja histórico e artístico, este livro transporta-nos para uma realidade em que (…) “A África aparece-nos definida como uma conjugação íntima de cor, luz e ritmo, e a música, como factor da sua grande síntese, é elemento motor participante no elan destas sociedades”.

Esta reedição contou com importantes apoios. São de justiça os agradecimentos aos herdeiros de José Redinha que a autorizaram e ao Professor Doutor João Gabriel e Silva, que, na qualidade de Reitor da Universidade de Coimbra, junto dos seus pares, logrou obter a autorização do Instituto de Antropologia da Universidade de Coimbra, para a reprodução da edição de 1984, que era já uma homenagem ao insigne estudioso das culturas angolanas e aqui se reproduz. Ainda os agradecimentos aos membros da sede da AULP compreendendo o ato de cultura que lhe está associado, apoiaram esta reedição.

Orlando M. J. F. da Mata e Cristina Montalvão Sarmento

Disponibilidade: Disponível

Máscaras e Mascarados Angolanos (Uso, Formas e Ritos)

Máscaras e Mascarados Angolanos (Uso, Formas e Ritos)

Prefácio

A recuperação do património histórico e cultural das diversas culturas cruzadas pelo uso de uma língua comum, o português, implica a recuperação em jeito de inventário das formas culturais e civilizacionais, utilizadas nos diversos espaços que compõem esse universo. No caso em apreço, Angola, a Associação das Universidades de Língua Portuguesa (AULP) ao realizar a edição fac-similada deste opúsculo, reafirma o seu compromisso em prestar homenagem a todos aqueles que, no passado, dedicaram a sua investigação à riqueza da diversidade dos usos, formas e ritos das diversas culturas associadas à língua portuguesa.

Desde 2007, a AULP vem editando um conjunto de obras comemorativas nos seus encontros anuais, porquanto a dispersão dos seus membros por vários continentes, obriga ao carácter itinerante dessa reunião anual, fraterna, colaborativa e de serviço, reunindo assim, contribuições originárias nas diversas latitudes, enriquecendo o debate científico e favorecendo a relação entre os membros da comunidade. De Angola ao Brasil, de Cabo Verde a Portugal ou

Macau e Timor-Leste, estas reedições de manifesta riqueza cultural, contribuem para engrandecer o panorama literário e científico nos países onde se fala a língua portuguesa. Escolhidos na sua maioria pelos países de acolhimento do Encontro, a AULP serve, deste modo, os interesses da comunidade científica distribuindo-os gratuitamente entre todos os seus membros.

Este opúsculo que nos cumpre aqui apresentar, é um dos muitos trabalhos que o o grande investigador e etnólogo português, José Redinha, realizou. Investigador incansável no campo da etnologia angolana, participou em múltiplas missões de reconhecimento cultural e étnico em Angola. Na sequência da reedição do seu livro Etnias e Culturas de Angola (AULP 2009), obra magistral do seu trabalho de pesquisa, sob o pretexto da realização no Sul de Angola, na cidade do Lubango, do XXVIII Encontro da AULP acolhido pela Universidade Mandume Ya Ndemufayo, permite-nos ir mais longe e reeditar outros trabalhos, muitas vezes esquecidos, como este registo e esforço sistemático de classificação das: Máscaras e Mascarados Angolanos e ainda dos Instrumentos Musicais de Angola, sua construção e descrição, este último também publicado este ano.

No momento em que se alcança a ancoragem histórica do património comum do espaço lusófono, seja natural e científico, seja linguístico e cultural, seja histórico e artístico, este opúsculo, na sua exiguidade de “simples investigação descritiva”, como o autor o classifica, transporta-nos para amplo Oeste Africano, naquilo que recebeu o título de “Grande Civilização das Máscaras”.

As máscaras de madeira, de entrecascas de árvore (liber) e resina, e as máscaras de fibras encordoadas, no sentido das mais remotas para as mais recentes, são os principais géneros de máscaras angolanas, mas estão associadas a diferentes regiões, povos, rituais, usos e significações múltiplas cuja função social, influência nas artes e associação a crenças e superstições, nos transportam para um mundo que todos desejamos conhecer mais profundamente.

Esta edição contou com singelos, mas essenciais auxílios. Um especial agradecimento aos herdeiros de José Redinha, à Diretora da Biblioteca do Instituto Superior de Ciências Políticas da Universidade de Lisboa, à equipa da sede da AULP, em particular à Pandora Guimarães, porquanto, todos, compreendendo o ato de cultura que lhe está associado, apoiaram esta reedição.

Orlando M. J. F. da Mata e Cristina Montalvão Sarmento

 

Disponibilidade: Disponível

Da África para o Atlântico

Da África para o Atlântico

Tem sido habitual nos encontros da AULP que a universidade de acolhimento escolha uma obra que seja paradigmática do encontro de culturas de entre vários ou alguns dos países da AULP. A Universidade Estadual de Campinas escolheu para o XXVII Encontro (2017) a obra Da África para o Atlântico, de Mikael Parkvall (tradutor: Rodolfo Ilari). Foi desenvolvida uma capa exclusiva para o encontro.

Mikael Parkvall é professor no Departamento de Linguística da Universidade de Estocolmo. Como pesquisador, é internacionalmente conhecido pelas suas posições sobre os conceitos de crioulo e semicrioulo, sendo um dos principais expoentes da tese de que os crioulos podem ser reconhecidos, entre as línguas do mundo, pela presença de determinados traços estruturais. Atualmente, ele dirige o projeto Principia Creolica com o objetivo de demonstrar que os crioulos têm origem em línguas pidgins e que essas línguas — contrariamente ao que se tem afirmado — representam um caso pouco usual de evolução linguística.

Tomando por referência mais de 150 línguas e famílias linguísticas africanas, e usando dados reunidos em mais de 800 fontes, esta obra trata de africanismos potencialmente presentes em todos os níveis linguísticos nas línguas crioulas do Atlântico. A exaustividade, a constante preocupação em confirmar os achados da análise estrutural pelos dados da história externa das línguas e a extrema clareza na definição dos conceitos-chave fazem deste trabalho uma referência necessária para todos os leitores interessados nas origens das línguas afro-americanas e afro-caribenhas. A solidez dos pontos de vista expressos sobre os propósitos da crioulística e a visão original sobre contato e influência linguística tornam esta obra uma leitura obrigatória para todos os linguistas interessados em situações de contato e para os estudiosos de crioulos das mais variadas tendências.

Disponibilidade: Sob Consulta.

Preço: Sob Consulta.

Timor-Leste: Identidade e Território

Timor-Leste: Identidade e Território

A Associação das Universidades de Língua Portuguesa (AULP), fundada a 26 de novembro de 1986, reúne mais de 140 instituições de ensino superior e investigação dos países de língua portuguesa, em prol do desenvolvimento coletivo do ensino e da língua portuguesa no mundo, mobiliza recursos com o objetivo de estimular a investigação, fomentar o intercâmbio e  incentivar a reflexão contínua.  A AULP promoveu, por ocasião da sua conferência anual, o XXVI Encontro da AULP em Díli, Timor-Leste, a publicação de uma  memória que recorda a história de Timor-Leste, a sua identidade e território.

Para o efeito, foi convidado a escrever para a ocasião, o investigador Fernando Augusto de Figueiredo, que se tem dedicado a estudar a  história de Timor-Leste. Aceitando o desafio, o autor recorda neste texto o percurso que vai desde os reinos timorenses, passando pela presença portuguesa no país, até às problemáticas associadas à fronteira marítima, bem como os acontecimentos mais relevantes que permitiram a independência de Timor-Leste.

Oferecido a todos os membros da AULP, no final desta memória, uma edição autónoma da Planta das Operações na Pedra do Cailaco, retrata a revolta da Casa de Camnace, que levaria ao abandono de Lifau, um desenho anexo a uma carta enviada pelo governador de Timor,  para o vice-rei de Goa em 1727. Um dos documentos mais antigos sobre a história da autodeterminação, reproduzido agora para o primeiro Encontro da AULP em Timor, no ano em que esta completa os 30 anos de atividade.

Professor Doutor Rui Martins, Presidente da AULP em representação da Universidade de Macau

Professora Doutora Cristina Montalvão Sarmento, Secretária-Geral da AULP

Disponibilidade: Esgotado.

Virtudes de algumas plantas, folhas, frutas, cascas e raízes de diferentes árvores e arbustos da Ilha de Timor

Virtudes de algumas plantas, folhas, frutas, cascas e raízes de diferentes árvores e arbustos da Ilha de Timor

Esta obra fac-similada, reeditada pela Associação das Universidades de Língua Portuguesa (AULP), é publicada por ocasião do XXVI Encontro da AULP em Díli, Timor-Leste, no ano em que a associação completa 30 anos. Desde 2007 a AULP é responsável pela publicação de um conjunto de obras comemorativas nos seus encontros anuais, contribuindo para o panorama literário e científico nos países onde se fala a língua portuguesa.

São reedições fac-similadas de obras inacessíveis, livros científicos de reconhecido valor já desaparecidos, ou cuja oportunidade se faz sentir, que são distribuídas gratuitamente por todos os membros, servindo os interesses da comunidade científica, enriquecendo o debate científico e favorecendo a relação entre os membros da comunidade.

O códice “Virtudes de algumas plantas, folhas, frutas, cascas e raízes de diferentes árvores e arbustos da Ilha de Timor” é um documento ímpar para a História Natural de Timor-Leste, com desenhos aguarelados que acompanham a descrição exaustiva das plantas referenciadas e a listagem de remédios que delas podem ser obtidos e que eram usados pelas gentes de Timor. Escrito e desenhado em longas folhas de papel de arroz por Frei Alberto de S. Thomaz, missionário em Timor no ano de 1749, este é um manuscrito de 64 páginas belamente ilustrado que enaltece as qualidades de etnógrafo e de naturalista do autor. Escrito entre 1788 e 1800, encontra-se conservado e guardado no Arquivo Histórico Ultramarino de Portugal.

Acompanhando a descrição das imagens, está uma lista de remédios criada por sucessivas gerações timorenses que podem ser obtidos através das plantas representadas. São 32 desenhos de plantas medicinais, acompanhadas de uma exposição ou descrição de cada uma delas. “(…) Nódoas, pisaduras, feridas, chagas, inchações, dores de corpo e de cabeça, defluxões e catarrais, febres e obstruções, indigestões, disenterias, flatos e torpores de barriga, esquinências pedras na via, gonorreias ou supressão do mês e das urinas, postemas, fraturas, ausência de tato, membros gretados, hidropézias, urinas sanguinolentas, olhos inflamados e “câmaras de sangue”, bexigas, hemorroidas, envenenamentos, picadas de cobra, e mesmo para os nado-mortos na barriga das mães (…)”. No final do códice está presente uma legenda desses textos, resultante de uma leitura cuidada.

O valor deste documento raro do século XVIII, é ampliado ao referir-se a uma ilha do arquipélago de Sonda ainda hoje com tantos mistérios a desvendar para várias ciências. Documentos dessa época, e referentes à botânica dessa zona do globo, são raros e daí o grande interesse que merecem estes desenhos das plantas de Timor.

Deixo os meus agradecimentos à Professora Doutora Cristina Montalvão Sarmento pela sua  imprescindível coordenação desta edição e à Pandora Guimarães, do Gabinete de Comunicação da AULP, que  fez a montagem e revisão do texto, bem como a legenda do códice. Por último, é de referir que esta publicação contou com o apoio da Universidade Nacional de Timor Lorosa’e, instituição de acolhimento do XXVI Encontro da AULP, e da Fundação Macau.

Professor Doutor Rui Martins, Presidente da AULP em representação da Universidade de Macau.

 Disponibilidade: Esgotado.

A ilha do fogo e as suas erupções

A ilha do fogo e as suas erupções

Esta obra fac-similada, publicada pela Associação das Universidades de Língua Portuguesa (AULP), é fruto do marcante contributo do Professor Orlando Ribeiro para o conhecimento aprofundado sobre a erupção vulcânica na ilha do fogo e a sua geografia. A AULP agradece à Professora Doutora Suzane Deveau e ao Professor Doutor António Ribeiro a autorização para realizar esta edição, assim como ao Professor Doutor José Madeira a disponibilidade para a prefaciar.

Por sugestão da Universidade de Cabo Verde (Uni-CV), pela atualidade face à recente erupção do vulcão da Ilha do Fogo em novembro de 2014, é pertinente a concretização deste projeto editorial por ocasião do XXV Encontro da AULP – em Cabo Verde, entre 15 e 17 de julho de 2015, – com o tema “Novos desafios para o Ensino Superior após os objetivos de desenvolvimento do milénio (ODM)”.

A AULP é uma organização não governamental internacional que promove a cooperação e troca de informação entre mais de 140 instituições de ensino superior dos oito países de língua oficial portuguesa – Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe, Timor – e Macau, RAEM.

Disponibilidade: Esgotado.