Saltar para o conteúdo...

Formulário de procura

Close Search
Close Search

ESEnfC é exemplo de boa prática em mobilidade internacional para fins de aprendizagem

Fonte: 
Escola Superior de Enfermagem de Coimbra, Portugal, 2017-06-06

Agência Nacional que gere o programa Erasmus + considera que a Escola Superior de Enfermagem de Coimbra apresentou, no período 2015-2016, uma «excelente execução» ao nível do financiamento recebido e das 129 mobilidades realizadas por estudantes, docentes e não docentes. Modelo de gestão foi apresentado em Lisboa.

A Escola Superior de Enfermagem de Coimbra (ESEnfC) é exemplo de boa prática a nível nacional no que toca à execução de projetos de mobilidade individual para fins de aprendizagem suportados pela União Europeia.

Quem o diz é a Agência Nacional Erasmus + Educação e Formação (ANE+EF), tendo por base a avaliação feita aos projetos de mobilidade da ESEnfC no período compreendido entre junho de 2015 e setembro de 2016, em que tiveram experiências de trabalho noutras instituições europeias 89 estudantes, 35 docentes e 5 não docentes.

A ANE+EF nota que «o projeto [da ESEnfC] apresenta uma excelente execução a nível do financiamento e das mobilidades promovidas» – 118 executadas com financiamento comunitário e 11 a expensas da instituição –, o que resulta numa «gestão bastante positiva».

O relatório final do projeto da ESEnfC foi aprovado com uma classificação de 90 (em 100 pontos), assinalando a ANE+EF que o programa «está claramente ao serviço da estratégia de modernização e internacionalização da instituição de ensino superior, a qual regista uma progressão quantitativa e qualitativa assinaláveis, investindo diversificados recursos humanos e financeiros (cofinanciamento correspondente a 5% da subvenção concedida), bem como uma atuação consequente e profícua no acompanhamento das atividades».

«Existe consequência na seleção dos participantes», «é excelente a indicação de recurso aos testemunhos de anteriores participantes» e «são muito positivas as soluções complementares de preparação linguística garantidas pela instituição, para públicos in e out», são outros elogios feitos ao desempenho da ESEnfC neste domínio.

A ANE+EF conclui que existe uma «equipa sólida e transversal, responsável pela implementação e gestão do programa, confirmando-se abordagem verdadeiramente institucional e um desempenho assinalável pelos excelentes índices de execução/resultados obtidos».

Para Fernando Amaral, coordenador do Gabinete de Relações Nacionais e Internacionais (GRNI) da ESEnfC, «esta avaliação está em linha com o esforço que a Escola tem desenvolvido para incentivar a mobilidade internacional dos seus estudantes e com a estratégia que a equipa do GRNI tem desenvolvido no sentido de divulgar e promover as vantagens da internacionalização».

O professor da ESEnfC responsável pelas Relações Internacionais, que esteve no início deste mês a apresentar a experiência de «boa prática» da Escola na gestão de projetos de mobilidade – numa reunião de monitorização geral organizada em Lisboa pela ANE+EF –, ressalta «a forma como a equipa do GRNI funciona, a relação que estabelece com os estudantes, o modo como se divulgam as atividades Erasmus, nomeadamente na semana internacional, e ainda a garantia de creditação da formação desenvolvida no exterior».