Saltar para o conteúdo...

Formulário de procura

Close Search
Close Search

Aluno da UMinho no maior concurso mundial de Chinês

Fonte: 
Universidade do Minho, Portugal, 2017-05-18

Henrique Pinto vai representar Portugal e quer no futuro mediar a ligação entre treinadores portugueses e jogadores chineses.

Henrique Pinto, da Universidade do Minho, vai representar Portugal no Chinese Bridge, o maior concurso mundial de língua chinesa, que decorre no verão em Changsha, sul da China. O aluno do mestrado em Estudos Interculturais Português/Chinês e do Instituto Confúcio venceu a eliminatória portuguesa e vai procurar superar o legado de Samuel Gomes, também da UMinho, que em 2016 quase chegou à finalíssima dos 30 melhores do mundo, entre os 108 representantes presentes.

“Queria muito representar o meu país na China – à minha terceira tentativa, foi de vez, culminando alguns anos de estudo”, sorri o bracarense de 30 anos. Na eliminatória lusa respondeu a um quiz geral sobre a China, cantou e tocou à guitarra “Hua”, do artista Zhao Lei, e discursou sobre “o sonho comanda a vida”, tema definido pelo júri. E foi no discurso que mais surpreendeu, focando-se na sua dissertação de mestrado, “Treinadores de futebol de formação portugueses e o mercado chinês – uma perspetiva intercultural”.

“Tenho o sonho de poder ser uma ponte entre treinadores portugueses e jovens jogadores chineses, a nível linguístico e cultural”, explica, notando que no primeiro ano do curso foi às cidades de Zhuhai e Macau para estudar essa ligação. A popularidade do futebol disparou no gigante asiático. O Presidente Xi Jinping é fã da modalidade. Existem lá academias de formação de figuras como Luís Figo ou do Benfica e Sporting. Há sete treinadores portugueses em clubes daquele país. E os próprios chineses já decoraram os nomes “Muliniao” (Mourinho), “C luo” (Cristiano Ronaldo) e “Putaoya” (Portugal), vencedor do Euro’2016.

Apaixonado pelo futebol, professor e músico, Henrique Pinto enveredou há apenas quatro anos pelas Línguas Orientais, sobretudo o mandarim e o japonês, após ter passado por Informática e Design. “Nunca imaginei que ia adorar e que a vida ia tomar este rumo, mas estou mais do que satisfeito”, afirma. A eliminatória nacional do Chinese Bridge na categoria de alunos universitários teve no terceiro lugar outro representante da UMinho, Ana Maria Fernandes, que apresentou a dança do pavão. A categoria do ensino secundário foi igualmente ganha por um estudante do Instituto Confúcio da UMinho, Luís Quinta, que interpretou e dançou uma canção pop chinesa.

A final mundial do Chinese Bridge vai reunir os 108 campeões nacionais de mandarim, incluindo diversos desafios e exigência acrescida com o progredir das etapas. O concurso - que na China é um conhecido programa de entretenimento televisivo - tem o patrocínio da Hanban, a entidade do Ministério da Educação chinês que promove o ensino da língua e cultura chinesas no mundo.