Saltar para o conteúdo...

Formulário de procura

Close Search
Close Search

Presidente do Politécnico de Setúbal é o novo Vice-presidente do CCISP

Fonte: 
CCISP, Portugal, 2016-12-06

O Prof. Doutor Pedro Dominguinhos, Presidente do Instituto Politécnico de Setúbal (IPS), foi eleito, ontem [dia 05 de dezembro], Vice-presidente do CCISP (Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos), integrando assim a nova equipa presidida pelo Prof. Doutor Nuno Mangas, Presidente do Instituto Politécnico de Leiria.

Para o Presidente do IPS esta eleição “representa uma honra pela confiança demonstrada pelos membros do CCISP e espero que, no exercício das funções na equipa liderada pelo Prof. Nuno Mangas, possa contribuir para a afirmação cada vez mais relevante do sistema politécnico junto da sociedade”.

O Prof. Doutor Pedro Dominguinhos é Presidente do IPS desde abril de 2014, tendo desempenhado até essa data o cargo de Vice-presidente, com responsabilidade pelos pelouros da inovação, I&D e empreendedorismo, gestão financeira e inserção na vida ativa. Conta também com um percurso de 18 anos ao serviço do IPS, durante os quais desempenhou diferentes cargos de gestão, direção e investigação, para além da docência. É professor coordenador na Escola Superior de Ciências Empresariais do IPS, da qual foi presidente do Conselho Diretivo entre 2007 e 2009, membro do grupo de trabalho para modernização e valorização do ensino politécnico e membro do Conselho Nacional de Educação.

O CCISP é o órgão de co-representação dos 15 institutos politécnicos públicos e das cinco escolas politécnicas públicas não integradas, estando também representadas neste órgão as Universidades dos Açores, Algarve, Aveiro, Évora e Madeira. Entre as suas competências, cabe ao CCISP colaborar na formulação das políticas nacionais de educação, de ciência e cultura; pronunciar-se sobre todas as matérias relacionadas com o sistema de ensino superior politécnico público, tanto no plano legislativo como orçamental; contribuir para o desenvolvimento do ensino, investigação e cultura em geral, e para a dignificação das instituições de ensino superior politécnico e dos seus agentes, bem como para o estreitamento das ligações com organismos nacionais e estrangeiros.