Saltar para o conteúdo...

Formulário de procura

Close Search
Close Search

Caracterização molecular de recursos genéticos florestais das matas de miombo na reserva nacional de Niassa

Ivete Maquia

PRÉMIO FERNÃO MENDES PINTO

A Associação das Universidades de Língua Portuguesa (AULP) é uma ONG internacional que promove a cooperação e troca de informação entre instituições de ensino superior dos oito países de língua oficial portuguesa – Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe, Timor - e da
Região Administração Especial de Macau (RAEM).

Desde 2008 que a AULP atribui anualmente um prémio denominado “Fernão Mendes Pinto” que galardoa uma dissertação de mestrado ou doutoramento que contribua para a aproximação das comunidades de língua portuguesa. No valor de oito mil euros, é uma parceria conjunta entre a AULP e a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), e ao autor é oferecida a possibilidade de publicação da sua dissertação pelo Camões – Instituto da Cooperação e da Língua, que tem por missão propor e executar a política de cooperação portuguesa, assim como divulgar a língua e a cultura portuguesa no mundo.

Dada a excelência da qualidade dos trabalhos enviados nesta edição, o Conselho de Administração da AULP decidiu atribuir duas menções honrosas. Sueli da Silva Saraiva, da Universidade de São Paulo, com a dissertação de doutoramento do Programa de Pós-Graduação em Estudos Comparados de Literaturas de Língua
Portuguesa, “O pacto das elites e sua representação no romance em Angola e Moçambique” e Ivete Sandra Alberto Maquia, da Universidade Eduardo Mondlane, com a dissertação de mestrado na área da biotecnologia, “Caracterização Molecular de Recursos Genéticos Florestais das Matas de Miombo na Reserva Nacional de Niassa: Desenvolvimento de Marcadores inter simple sequence repeats (issr) e de Código de Barras”.

1. INTRODUÇÃO

As matas de miombo estão entre as maiores florestas contínuas, e decíduas, nas quais a maioria das árvores dominantes só perdem as suas folhas num curto período no final da época seca. Este tipo de floresta ocorre somente a sul do equador, extendendo-se na região da África Austral (Moçambique, Zâmbia, Zimbabué, Malawi e Angola) e Oriental (Tanzânia e República Democrática do Congo) (Campbell, 1996). A vegetação do miombo é caracterizada pela presença dominante de três espécies da família Fabaceae, subfamília Caesalpinoideade dos géneros Brachystegia, Julbernardia e Isoberlinia estando presentes outras espécies como Pseudolachnostylis. Maprouneifolia Pax, Diplorhynchus condylocarpon (Mull. Arg.) Pichon, Kigelia africana (Lam) Benth, Adansonia digitata L. As matas de miombo secas ocorrem em áreas com precipitação inferior a 1000 mm/ano, onde as árvores crescem até uma altura inferior a 15 m. Este tipo de miombo ocorre no Zimbabué, centro da Tanzânia e no sul de Moçambique. A vegetação é floristicamente pobre, tendo como espécies dominantes Brachystegia spiciformis Benth., B. boehmii e Julbernardia globiflora (Benth.) Troupin. (Campbell, 1996). O miombo húmido, ocorre a norte de Moçambique, parte oriental de Angola, norte da Zâmbia, sul da Tanzânia e centro do Malawi. Nestas áreas a precipitação anual é superior a 1000 mm/ano, os solos são mais profundos e húmidos e as árvores atingem alturas superiores a 15 m. Este tipo de vegetação é considerado um dos mais ricos, abrangendo um grande número de espécies, tais como B. floribunda Benth, B. glaberrima R. E. Fries, B. longifolia Benth, B. wangermeeana De Wild, Marquesia macroura Gilg, J. Paniculata (Benth) Troupin. e Isoberlinia angolensis (Welw. ex Benth.) Hoyle & Brenan (Campbell, 1996; Ribeiro, 2007).

A floresta de miombo ocupa uma área de 2.7 milhões km2 correspondente a 70% da fitoregião Sudano-Zambeziana (Ribeiro et al., 2007). Com cerca de 8500 espécies de plantas, 54% das quais endémicas, este ecossistema é considerado um repositório de biodiversidade a nível global (Dewees et al., 2011). Em Moçambique, cobre cerca de 2/3 do território nacional, representando o ecossistema de maior relevância social, económica e ambiental (Ribeiro, 2007). Cerca de 90% da população rural e cerca de 50% da população urbana dependem deste ecossistema para satisfazer as necessidades alimentares, de saúde, energia e  habitação. Do ponto de vista económico, o miombo é a fonte da maior parte das espécies madeireiras comerciais de exportação tais como P. angolensis (nome local: umbila) e Millettia stuhlmannii Taub. (nome local: panga-panga). Do ponto de vista ambiental, o miombo desempenha um papel crucial para o balanço de carbono, água e energia.

Disponibilidade: 
Disponível