Prémio Fernão Mendes Pinto (Edição 2016)

Prémio Fernão Mendes Pinto (Edição 2016)

Prémio Fernão Mendes Pinto (Edição 2016)

A Associação das Universidades de Língua Portuguesa (AULP) anuncia a abertura de candidaturas ao Prémio Fernão Mendes Pinto 2016.

Este prémio, atribuído anualmente pela AULP, tem como objetivo galardoar uma dissertação de mestrado ou de doutoramento que contribua para a aproximação das Comunidades de Língua Portuguesa, explicitando relações entre comunidades de, pelo menos, dois países.

O valor do Prémio Fernão Mendes Pinto é de 8.000€ (oito mil euros) a atribuir numa parceria conjunta entre a AULP e a CPLP ao autor premiado e cuja publicação será da responsabilidade do Instituto Camões.

NOTAS

Os trabalhos serão agrupados nas seguintes secções:

–  Letras e Artes;

– Ciências Exatas;

– Ciências da Saúde e da Vida;

– Ciências Sociais e Humanas.

Só se poderão candidatar ao PFMP2016 as instituições membros da AULP que tenham as quotas em dia.

______________________________________________________

Vencedor

O vencedor do Prémio Fernão Mendes Pinto 2016 é Patricia Delayti Telles, da Universidade de Évora, com a dissertação “Retrato entre baionetas: prestígio, política e saudades na pintura do retrato em Portugal e no Brasil, entre 1804 e 1834”.

Receber o Prêmio Fernão Mendes Pinto foi um enorme incentivo académico e pessoal, num momento de grandes dificuldades. Agora, numa segunda etapa, com a publicação da minha tese, acredito que contribuia para a divulgação do meu trabalho e com isso para uma maior inserção na carreira de investigação.

Prémio Fernão Mendes Pinto (Edição 2016)

Prémio Fernão Mendes Pinto (Edição 2015)

Prémio Fernão Mendes Pinto (Edição 2015)

A Associação das Universidades de Língua Portuguesa (AULP) anuncia a abertura de candidaturas ao Prémio Fernão Mendes Pinto 2015.

Este prémio, atribuído anualmente pela AULP, tem como objetivo galardoar uma dissertação de mestrado ou de doutoramento que contribua para a aproximação das Comunidades de Língua Portuguesa, explicitando relações entre comunidades de, pelo menos, dois países.

O valor do Prémio Fernão Mendes Pinto é de 8.000€ (oito mil euros) a atribuir numa parceria conjunta entre a AULP e a CPLP ao autor premiado e cuja publicação será da responsabilidade do Instituto Camões.

_______________________________________

Vencedor

O vencedor do Prémio Fernão Mendes Pinto 2015 é Kamila Katarzyna Krakowska Rodrigues, da Universidade de Coimbra, com a dissertação “Na Demanda da Ideia de Nação: As Viagens Pós-Coloniais, Em Mário de Andrade e Mia Couto”.

Prémio Fernão Mendes Pinto (Edição 2016)

Prémio Fernão Mendes Pinto (Edição 2014)

Prémio Fernão Mendes Pinto (Edição 2014)

Vencedor

A vencedora do Prémio Fernão Mendes Pinto 2014 foi Fátima da Cruz Rodrigues da Universidade de Coimbra com a dissertação de doutoramento em Sociologia, no curso de Pós-Colonialismos e Cidadania Global, “Antigos Combatentes Africanos das Forças Armadas Portuguesas – A Guerra Colonial como Território de (Re)conciliação“.

Dada a excelência da qualidade dos trabalhos enviados nesta edição, o Conselho de Administração da AULP decidiu atribuir duas menções honrosas.

Menções honrosas

Sueli da Silva Saraiva, da Universidade de São Paulo, com a dissertação de doutoramento do Programa de Pós-Graduação em Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa, “O pacto das elites e sua representação no romance em Angola e Moçambique“.

Ivete Sandra Alberto Maquia, da Universidade Eduardo Mondlane, com a dissertação de mestrado na área da biotecnologia, “Caracterização Molecular de Recursos Genéticos Florestais das Matas de Miombo na Reserva Nacional de Niassa: Desenvolvimento de Marcadores inter simple sequence repeats (issr) e de Código de Barras“.

___________________________________________________________________________

Publicação da tese vencedora

A dissertação“Antigos Combatentes africanos das forças armadas portuguesas. A guerra colonial como território de (re)conciliação”, da Universidade de Coimbra, foi publicada pelo Camões – Instituto da Cooperação e da Língua, conforme regulamento.

Este prémio teve um significado muito especial para mim tendo em conta o que ele representa. O PFMP galardoa um trabalho que contribui para a aproximação das comunidades de língua portuguesa. Vencê-lo com uma tese de doutoramento centrada na interpretação de percursos de vida de antigos combatentes africanos das Forças Armadas Portuguesas que lutaram na Guerra colonial (1961-1974), travada entre o Portugal imperial e países africanos que dele se queriam libertar, foi muito gratificante.

Em termos profissionais, estou convencida que vencer este prémio, cuja candidatura é avaliada por um júri internacional composto por acadêmicos do mais alto nível da comunidade de língua portuguesa, produz efeitos positivos sobretudo porque valoriza o curriculum do vencedor e permite-lhe publicar o seu trabalho e promovê-lo internacionalmente através de uma edição oferecida pelo Instituto Camões que constitui uma das instituições que melhor representa a língua portuguesa no mundo.

Prémio Fernão Mendes Pinto (Edição 2016)

Prémio Fernão Mendes Pinto (Edição 2013)

Prémio Fernão Mendes Pinto (Edição 2013)

O vencedor do Prémio Fernão Mendes Pinto 2013 é Odair Bartolomeu Barros Lopes Varela, com a tese “Mestiçagem Jurídica? O Estado e a Participação Local na Justiça em Cabo Verde: uma análise pós-colonial”, da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra.

A análise pós-colonial do papel do Estado cabo-verdiano no que tange à participação local na justiça implicou, mediante a utilização de ferramentas epistemológicas conferidas pelos Estudos Pós-coloniais, uma contextualização sócio-histórica crítica da especificidade do Estado moderno nesse país a partir da intercessão colonial portuguesa visando expor as continuidades ou presenças, as rupturas, (des)continuidades ou transformações das características político-jurídicas coloniais no período após a independência. Para além do aprofundamento do carácter inter-transdisciplinar e transdisciplinar da pesquisa – o que permitiu a navegação, de forma enriquecedora, por campos disciplinares como os de Ciência Política, Relações Internacionais, História, Antropologia ou Estudos Literários –, a feição in-disciplinar do campo dos Estudos Póscoloniais faculta, por outro lado, pôr em causa a própria configuração disciplinar eurocêntrica e colonial presente na Ciência Moderna a qual, evidentemente, nem esse campo consegue escapar dado que, por exemplo, o seu actual paradigma epistemológico não reconhece, ou deixa praticamente de fora, o potencial de contribuição e enriquecimento que os saberes ou conhecimentos produzidos no Sul Global podem trazer para o seu «cânone».

________________________________________________

Publicação da tese vencedora

A tese “Mestiçagem Jurídica? O Estado e a Participação Local na Justiça em Cabo Verde: uma análise pós-colonial”, da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, foi publicada pelo Camões I.P., conforme regulamento.

Tendo sido o primeiro investigador africano de entre as Universidades e Institutos Superiores que integram a Associação das Universidades de Língua Portuguesa (AULP) a ser laureado com o Prémio Fernão Mendes Pinto, considero que esta distinção se traduz no reconhecimento da existência de investigação e de investigadores de qualidade nos países e nas Universidades africanas parceiras da AULP e testemunha o crescimento e consolidação das mesmas ao longo dos anos. Ao instituir o maior prémio de investigação no espaço de língua oficial de portuguesa nas áreas das Ciências Humanas e Sociais a AULP contribui para o aumento da produção e valorização dos diversos saberes e conhecimentos que existem no referido espaço como também para o enfrentamento dos desafios provocados pelas persistentes continuidades coloniais e derivados dos atuais processos de globalização. Este galardão contribuiu significativamente para diversificação e avigoramento do meu percurso enquanto investigador não no só na área de língua portuguesa, mas também em outros espaços geopolíticos, procurando desempenhar o que denomino de diplomacia da ciência e do conhecimento em prol do Sul Global.

Odair Barros-Varela

 

Prémio Fernão Mendes Pinto (Edição 2016)

Prémio Fernão Mendes Pinto (Edição 2012)

Prémio Fernão Mendes Pinto (Edição 2012)

O vencedor do Prémio Fernão Mendes Pinto 2012 é Pedro Manuel Rodrigues da Silva Madeira Góis, com a tese “A Construção secular de uma identidade étnica transnacional: a cabo-verdianidade”, da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra.

Procuramos demonstrar que a “identidade étnica transnacional cabo-verdiana” vem sendo construída continuamente ao longo dos últimos séculos enquanto fenómeno social e sociológico. Existe não porque exista (apenas) uma crença que supõe a sua existência mas por que há acções, interacções e relações sociais que, analisadas longitudinalmente, comprovam a sua existência. Referimos exemplos diversos desta actividade nos EUA, em Portugal, em Cabo Verde ou na Argentina. Defendemos que não existe [não poderia nunca existir] uma (única) identidade étnica cabo-verdiana geral, mas que, ao contrário, estamos em presença de uma (re)construção étnica múltipla e, portanto diferente em cada um dos países onde existem comunidades imigradas (e no arquipélago de Cabo Verde), resultante, por um lado, do confronto com os “outros” diferenciadores e, numa outra vertente, dos contextos e conjunturas em que ocorre essa interacção. Concluímos defendendo que a “etnicidade” é contextual e que através do exemplo cabo-verdiano ela é um dos alicerces das modernas formas de “identidade étnica transnacional”.

___________________________________________________________________________

Publicação da tese vencedora

A tese “A Construção secular de uma identidade étnica transnacional: a cabo-verdianidade”, da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, foi publicada pelo Camões I.P., conforme regulamento.

Quando em março de 2014 recebi a notícia de que tinha ganho o Prémio Fernão Mendes Pinto de 2012 senti um misto de alegria e alívio. Alegria porque se trata de um Prémio importante, com o nome de um compatriota que viajou pelo mundo quando o mundo era ainda um espaço cheio de vazios. Alívio porque a possibilidade de publicar o trabalho que dera origem ao prémio, uma tese de doutoramento sobre a identidade étnica cabo-verdiana, tornava o trabalho de investigação disponível para futuros leitores. O prestígio associado ao prémio vem crescendo ano após ano e é para mim um orgulho ter sido um dos laureados.

Prémio Fernão Mendes Pinto (Edição 2016)

Prémio Fernão Mendes Pinto (Edição 2011)

Prémio Fernão Mendes Pinto (Edição 2011)

O Conselho de Administração da AULP decidiu galardoar a tese de Cármen Liliana Ferreira Maciel, intitulada “A Construção da Comunidade Lusófona a partir do Antigo Centro – Micro-Comunidades e Práticas da Lusofonia)”, da Universidade Nova de Lisboa – Faculdade de Ciências Sociais e Humanas.

Na dissertação “A Construção da Comunidade Lusófona a partir do Antigo Centro. Micro-Comunidades e Práticas da Lusofonia”, Cármen Maciel procurou revelar quais as dinâmicas simbólicas – por exemplo, políticas, institucionais e culturais – que contribuem para a conceptualização da “comunidade lusófona”.

Tendo por base a história desde o século XV até à atualidade pós-colonial da sociedade portuguesa, a discente procurou espelhar as “práticas da lusofonia”, e verificou que estas se dão sobretudo na esfera cultural.

Em conclusão, apontou que a “comunidade lusófona” – que tem por rosto formal a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (1996) – encontra-se em permanente construção, expressando-se quer em iniciativas informais, quer em trasações comerciais, atividades socioculturais e ações político-institucionais.

________________________________________

Publicação da tese vencedora

A tese de doutoramento “A construção da comunidade lusófona  a partir do antigo centro. Micro-comunidades e práticas da lusofonia”, de Cármen Maciel, vencedora da 4ª edição do Prémio Fernão Mendes Pinto, foi editada pelo Camões, IP.

O presente trabalho tem por objectivo discutir a construção da comunidade lusófona a partir do antigo centro português. Escrutinando os rumos da história desde o século XV até à actualidade pós-colonial da sociedade portuguesa, pretende-se traçar o enquadramento histórico que terá estado na base de concepção e idealização de tal comunidade.

Pretende-se ainda acompanhar as dinâmicas simbólicas, mas também políticas, institucionais e culturais do projecto de comunidade que, a 17 de Julho de 1996, adquire um rosto formal através da constituição da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa. Em simultâneo com a análise das iniciativas realizadas ‘de cima para baixo’, presta-se particular atenção à actuação dos agentes ao nível micro, focalizando a atenção na exploração das práticas da lusofonia que se dão sobretudo na esfera cultural.

Defende-se, neste trabalho, que comunidade lusófona é um colectivo em formação e que, apesar da forte conotação ideológica, que a situa ao nível do resgate de um passado agora reinventado à luz do ‘encontro de culturas’, esta é uma realidade prática que vemos funcionar em expressões diversas, quer em iniciativas informais, quer em transacções comerciais ou em actividades socioculturais – para além das acções político-institucionais.

O Prémio Fernão Mendes Pinto compreende um valor pecuniário atribuído numa parceria conjunta entre a AULP e a Comunidade de Países Língua Portuguesa (CPLP), bem como a edição da tese, a realizar pelo Camões, IP.

Quando tive conhecimento do Prémio Fernão Mendes Pinto, da AULP, estava a terminar de escrever a minha dissertação de Doutoramento sobre o tema da construção da Lusofonia através de microcomunidades e práticas do quotidiano. De imediato, pesquisei o regulamento, e apercebi-me que o trabalho se enquadraria no âmbito do mesmo e que poderia ser um contributo para a área de estudos em questão. Após a apresentação e defesa pública da dissertação, em outubro de 2010, e por considerar que se tratava de um Prémio prestigiado no contexto internacional, decidi enviar o documento e concorrer. Tive a felicidade de vencer a 4ª edição, no ano de 2011, e de ver posteriormente o trabalho publicado pelo Camões I.P.

Com a divulgação da atribuição do prémio, surgiram vários convites para apresentações públicas do trabalho de doutoramento, no país e no estrangeiro – o que, considero, foi uma mais-valia para o meu percurso académico e profissional.

Recordo com gratidão e apreço a viagem a Macau, onde decorreu a cerimónia pública de entrega do Prémio. A equipa da AULP foi extraordinária e o momento foi marcante para mim.

Agradeço à AULP, à CPLP e ao Camões I.P. a oportunidade que me foi concedida e desejo que mais jovens investigadores possam ter a experiência de participar em iniciativas como o Prémio Fernão Mendes Pinto, na medida em que poderão ver projetado o seu trabalho e reconhecido o seu percurso de investigação.