Programa de Mobilidade na CPLP

Programa de Mobilidade na CPLP

Fonte: AULP, 2014-02-04

A Associação das Universidades de Língua Portuguesa (AULP) está a desenvolver um programa de apoio à mobilidade estudantil entre instituições de ensino superior pertencentes à Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).

A mobilidade estudantil tem sido uma das mais bem sucedidas experiências ao nível da cooperação entre instituições de ensino superior e tem servido como eixo estratégico da construção de espaços multiculturais. Deste modo, é fomentada a cooperação entre instituições, o conhecimento mútuo entre cidadãos e a construção de relações de paz e tolerância.

O Programa Erasmus (com 3 milhões de estudantes participantes em 26 anos) tornou-se a maior história de sucesso na construção da paz e de um sentimento de cidadania europeia. Idêntico efeito poderá vir a ser gerado pela participação de estudantes em programas de mobilidade entre as diversas instituições da AULP.

A concretização deste programa de mobilidade tem os seguintes objetivos:

– Promover a produção e disseminação do conhecimento da CPLP;
– Aprofundar o sentimento de pertença na CPLP e promover um maior reconhecimento das suas estruturas institucionais;
– Promover o conhecimento mútuo e a aproximação entre realidades de ensino superior com maturidades institucionais diferentes;
– Permitir que os estudantes beneficiem do plano educativo e cultural de outro país, mas pertencente à mesma comunidade linguística;
– Contribuir para o desenvolvimento de uma geração de jovens qualificados, com experiência internacional e com a abertura de espírito para a aceitação e compreensão das diferenças culturais;
– Criar oportunidades de inserção no mercado de trabalho através da realização de estágios em contextos culturais diferentes da instituição de origem;
– Criar oportunidades para as empresas absorverem recursos humanos qualificados com a criação de projetos de estágio específicos para o seu contexto empresarial.

Este programa de mobilidade destina-se a estudantes inscritos em mestrados, doutoramentos e pós-graduações em instituições de ensino superior membros da AULP e assentará em três linhas de atuação: modalidade “Estudos”, “Empresas” e “Projetos específicos”.

A modalidade “Estudos” implica reciprocidade no envio e receção de estudantes (5 estudantes Outgoing e 5 estudantes Ingoing por cada projeto). Já a modalidade “Empresas” destina-se a inserir estudantes de pós-graduação (mestrados, doutoramento ou outras pós-graduações) em atividades de empresas.

Caso se trate de mobilidade de estudantes para “Projetos específicos” as candidaturas estarão dependentes de financiamento comunitário ou de agências nacionais, que terão as especificidades determinadas por cada concurso.

A AULP vai ainda implementar um sistema de garantia de qualidade nas modalidades “Estudos” e “Empresas” para avaliar anualmente o funcionamento destas mobilidades.

A AULP encontra-se a desenvolver os esforços necessários para dar início ao projeto o mais brevemente possível.

Portal Conexão Lusófona

Portal Conexão Lusófona

Fonte: AULP 2014-02-04 “É essencial e subjacente à própria existência da Comunidade um melhor conhecimento e intercâmbio entre os jovens da Lusofonia” Criado por jovens e desenvolvido para jovens. O portal Conexão Lusófona (CL) é uma plataforma virtual que visa promover as indústrias criativas e o encontro de pessoas e culturas do espaço lusófono. Esta é a primeira organização sem fins lucrativos constituída por jovens provenientes de países de língua oficial portuguesa. São jovens dos quatro continentes e estão empenhados na integração e construção da identidade cultural lusófona. Numa visita à página do portal, podemos encontrar uma plataforma aberta e participativa que contém dados sobre emprego e formação, viagens e turismo, compras, música, entre outros temas. “O objetivo é aproximar os jovens cidadãos lusófonos, promovendo o conhecimento mútuo e as oportunidades num espaço de língua comum”. Porquê este portal? O grupo de jovens que fundou a Conexão Lusófona considera que a Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) ainda se encontra aquém do seu potencial no que diz respeito à adesão a um sentimento de pertença a um espaço linguístico comum. Isto deve-se à falta de laços entre as sociedades que a integram, em parte gerada pelo desconhecimento mútuo. “Achamos que o trabalho, no sentido da criação de uma consciência lusófona, no momento atual que vivemos, constitui uma oportunidade única para assegurar e fortalecer o futuro da cooperação entre os povos de língua portuguesa”, revelou-nos a CL quando apresentou o seu projeto à AULP. A Conexão Lusófona planeia auxiliar a mobilidade jovem dentro da CPLP. Para isso, a CL tentará recolher e divulgar informação sobre a circulação, os vistos, a rede de alojamentos disponível, os transportes e o custo de vida de cada país. Através do portal, o viajante poderá contatar pessoas da Conexão Lusófona no país de destino. A CL pretende ainda criar um cartão especial, destinado ao jovem viajante da Comunidade, com descontos nas tarifas aéreas, no alojamento, na alimentação entre outras áreas. Mais de 244 milhões de pessoas falam português, sendo a sua maioria jovens. “Sentimos faltar na web um lugar onde a juventude pudesse conhecer refletir e viver a Lusofonia. Dada a descontinuidade geográfica do nosso espaço, a internet acaba por se traduzir num ponto de encontro, capaz de aproximar os jovens cidadãos da Lusofonia, contribuindo assim para a promoção de um conhecimento mútuo entre as sociedades que a integram”, refere a CL. O que é a Lusofonia? Veja aqui o vídeo da Conexão Lusófona que responde a esta pergunta.  

II Conferência sobre o Futuro da Língua Portuguesa no Sistema Mundial

II Conferência sobre o Futuro da Língua Portuguesa no Sistema Mundial

Fonte: AULP, 2013-11-11

A AULP participou na II Conferência Internacional sobre o Futuro da Língua Portuguesa no Sistema Mundial, durante os passados dias 29 e 30 de outubro, na Universidade de Lisboa.

A conferência reuniu especialistas e responsáveis políticos e institucionais de diversos países, num total de mais de 300 participantes. O objeto central foi a reflexão da importância e estado da Língua Portuguesa no contexto mundial, a fim de se potenciar a coordenação das iniciativas entre as nações de Língua Portuguesa no sentido da valorização do idioma comum.

A importância desta conferência, segundo o Ministro dos Negócios Estrangeiros, Rui Machete, foi “permitir que a Língua Portuguesa seja ainda mais projetada mundialmente”.

Programa de Mobilidade – AULP/CPLP

Programa de Mobilidade – AULP/CPLP

Fonte: AULP, 2013-11-05
João Guerreiro, Vice-presidente da AULP

A Associação das Universidades de Língua Portuguesa (AULP) prepara um Programa de Mobilidade que terá incidência nos países da CPLP e em Macau. Trata-se, numa primeira fase, de facilitar a circulação de estudantes de pós-graduação (mestrados e doutoramentos) e de investigadores, entre as instituições de ensino superior daqueles países.

A mobilidade dos estudantes CPLP poderá assumir diversas modalidades. Uma das hipóteses aponta para que, após o período escolar, o estudante elabore a sua dissertação de forma repartida, em resultado de estadas em, pelo menos, duas instituições de ensino superior e beneficiando de uma coorientação por parte das referidas instituições.

Uma segunda modalidade que deverá estar prevista no Programa abrirá a porta à elaboração das dissertações, de mestrado mas também de doutoramento, em ambiente empresarial. Esta linha defende que, após um período escolar, o estudante possa desenvolver a sua tese em contexto de trabalho, numa empresa, numa entidade, numa autarquia ou numa associação. Por esta via, o estudante tem possibilidade de se inserir num meio profissional, de aplicar os conhecimentos que adquiriu na universidade e de absorver o conhecimento tácito e organizacional que está presente no funcionamento dessas outras organizações.

Esta última modalidade, que permite que o estudante tome contacto com a realidade profissional e valide o seu talento ao trabalhar em instituições complexas, poderá traduzir-se na atribuição de créditos pedagógico-científicos que se baseiam no trabalho desenvolvido nesse contexto e após a respetiva convalidação, da responsabilidade da universidade que atribui o grau.

No caso dos investigadores, a mobilidade estará na maior parte das vezes associada a projetos de pós-graduações, a coorientações ou a projetos exploratórios, capazes de gerarem dinâmicas destinadas a consolidar linhas de pesquisa científica ou a mobilizar recursos financeiros.

O financiamento deste Programa de Mobilidade deverá apoiar-se em diversas linhas de apoio, maioritariamente ligadas ao mundo empresarial, admitindo-se que uma parte substancial desses apoios possa ser canalizada através de empresas que poderão ter interesse em acolher estagiários, em desenvolver projetos conjuntos ou em iniciar outras formas de cooperação com o seu universo empresarial.

A densidade de relações entre universidades, normalmente no plano bilateral, é imensa e alimentada por visitas frequentes dos reitores e suas equipas. O Programa de Mobilidade permite dar suporte parcial a essa linha de cooperação, selecionando os melhores candidatos à mobilidade e avaliando a respetiva candidatura através de critérios utilizados normalmente em concursos internacionais. Os benefícios serão múltiplos, podendo reconhecer-se as contribuições positivas no plano da formação avançada dos recursos humanos, na qualificação das atividades produtivas comprometidas com o Programa, no reforço das relações entre universidades e, também, na melhor estruturação do espaço de ensino superior e de investigação da CPLP.

Este Programa será uma verdadeira caravela, aportando em todos os países da CPLP e levando sempre uma Boa Nova, traduzida na globalização e na integração do conhecimento no espaço dos países de língua portuguesa.